Entrevista

Alexandre Alanis


A fotografia é uma arte que envolve equipamentos, luz e técnicas. Sua importância vai além do registro de um momento, afinal, ela deixa de ser apenas a visão do fotógrafo e passa a ser uma referência histórica, além de ter sido responsável pelo surgimento do cinema, da televisão e influenciadora da arte moderna. Ninguém vive sem a fotografia.

O soledadense Alexandre Alanis tornou a arte da fotografia em profissão e contou para o Jornal Informativo Regional mais detalhes sobre isso.


Jornal Informativo Regional - O que é a fotografia para você?

Alexandre Alanis - É uma forma de perceber o que acontece ao meu redor, me detendo nos detalhes que antes passavam batidos no dia a dia, encontrando novos ângulos para ver o mundo e por consequência, a vida.

 

Jornal I R - Quando surgiu a sua paixão pela fotografia?

Alexandre Alanis - Foi uma paixão tardia ou pelo menos eu me dei conta dela tardiamente. Aprendi a fotografar na faculdade de publicidade, na PUCRS e depois como publicitário acompanhava sessões de fotos dos meus clientes. Mas há uns sete anos resolvi comprar minha primeira câmera profissional. Foi algo que me absorveu a ponto de se tornar minha nova profissão.


Jornal I R - Em que momento você percebeu que a sua arte poderia virar sua profissão?

Alexandre Alanis - Percebi quando as pessoas começaram a me pedir orçamento, perguntar como eu trabalhava, e depois gostavam do resultado. Foi uma transição bastante natural.


Jornal I R - Relate seus principais trabalhos?

Alexandre Alanis - Sou um dos sócios da Oblíquo Imagens e atuamos principalmente na área da gastronomia. Desenvolvemos trabalhos para empresas como Oca de Savoia, Mark Hamburgueria, Festival Burgerfest e as redes sociais de estabelecimentos como o Agridoce Café. Também, trabalhamos com fotografia de arquitetura, produtos e alguns eventos. No site da empresa obliquoimagens.com.br ou em nossas redes sociais, todos esses trabalhos podem ser vistos.


Jornal I R - Qual seu trabalho mais gratificante?

Alexandre Alanis - Fotografar pessoas, especialmente retratos, é muito desafiador. Os seres humanos são complexos na sua essência e multifacetados, sendo difícil reduzir essa complexidade em uma única foto. Quando consigo encontrar um desses ângulos e de alguma forma revelar uma parte dessa pessoa através da fotografia, fico muito feliz.