História de Vida

Superação após o pesadelo: Viviane Souza detalha sua luta contra o câncer


Após a descoberta da doença, isso aproximadamente há um ano, para Viviane Nascimento de Souza a vida é um eterno recomeçar, isso devido a um câncer pelo qual foi acometida. Depois de um árduo caminho a ser percorrido, entre a descoberta e todo o tratamento, nesse momento recupera-se de uma cirurgia de retirada de todo o aparelho reprodutivo (histerectomia) realizada no final do mês de julho de 2018, a qual foi necessária, segundo ordem médica, para que a patologia não tomasse uma maior proporção, já que se diagnosticou mais nódulos. Para Viviane, o período de recuperação de 90 dias agora é de dieta e repouso, evitar esforço físico e de caminhadas leves. Quanto a sua alimentação, deve evitar frituras, doces e refrigerantes e uma maior ingestão de frutas, verduras e legumes.

Apesar de sempre manter os cuidados com sua saúde em dia, somente após várias etapas de preventivos do cólon do útero é que houve a descoberta do câncer que iniciou com um pequeno sangramento fora da normalidade e indolor. A dor somente veio a aparecer no momento em que o câncer já estava bem avançado. A evolução da doença ocorreu de forma muito rápida, conforme Souza, em questão de 15 dias, aproximadamente, é que o tratamento começou, primeiramente com a quimioterapia, após com a radioterapia e por último com esta mesma, porém de forma interna. Ela deixa o alerta para a importância da preocupação em torno de uma vida mais saudável e com os cuidados médicos necessários, pois só assim é que ela pode descobrir a doença precocemente e dar início aos procedimentos terapêuticos. Atualmente, suas avaliações médicas tem continuidade de três em três meses.

Emocionada e com lágrimas nos olhos, contou que sua superação deve-se a muita a fé, persistência, apoio da família e dos amigos, estes foram de extrema relevância para acordar do pesadelo de uma doença em que a cura não ainda não foi descoberta.

O que é Câncer de colo do útero?

O câncer de colo de útero é um tipo de tumor maligno que ocorre na parte inferior do útero, região em que ele se conecta com a vagina e que se abre para a saída do bebê ao final da gravidez.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de colo de útero é o terceiro mais incidente na população feminina, atrás apenas do câncer de mama e do câncer colorretal. No entanto, hoje o diagnóstico é feito muito mais precocemente: na década de 1990, 70% dos casos eram diagnosticados em sua forma mais avançada. Já nos dias atuais, 44% são identificados na lesão precursora.

Causas

O câncer de colo de útero usualmente ocorre quando há uma mutação genética nas células da região, que começam a se multiplicar de forma descontrolada.

Normalmente essa mutação está relacionada a presença de alguns tipos de vírus HPV. O HPV é muito comum em mulheres (estima-se que 90% delas entrarão em contato com alguma cepa desse vírus ao longo de sua vida), mas apenas alguns tipos do vírus estão relacionados com casos de câncer de colo do útero principalmente os tipos 16 e 18 (presentes em 70% dos casos), mas também os tipos 31, 33, 35 ou 39.

Aproximadamente 291 milhões de mulheres no mundo são portadoras do HPV, mas apenas 32% delas estão infectadas pelos tipos 16, 18 ou ambos. Normalmente o tumor se desenvolve a partir de uma lesão percursora, que pode ser causada pelo HPV. Elas são totalmente tratáveis e curáveis, e apenas quando não são tratadas por muitos anos, elas podem se desenvolver em um câncer.

Essas lesões não apresentam sintomas, mas são facilmente detectadas nos exames Papanicolaucolposcopia e vulvoscopia. Converse com um ginecologista sobre estes exames. Além disso, apenas a presença do HPV não ocasiona o câncer de colo de útero, é preciso ter outros fatores de risco para que a doença se desenvolva.