Esportes

Bicicletas antigas


Restaurar, colecionar ou apenas possuir uma bicicleta antiga para rolês de finais de semana é o passatempo e o ganha-pão de muita gente séria e comprometida em preservar a memória e os costumes de uma época.

Bicicletas antigas não seguem regras de preços como outras antiguidades, que se norteiam pelos catálogos internacionais. O valor de uma restauração segue o seguinte princípio: quanto mais inteira e bem conservada uma bike, menos se gasta. E quanto mais antiga e rara uma bicicleta – ou uma peça - mais cara ela será.

O principal objetivo de um restaurador é deixar a bicicleta como se tivesse saído da fábrica dias atrás. Tudo nela deve permanecer original e idêntico à bike da época, com os mesmos defeitos de fábrica, inclusive. Sim, o restaurador não tem o direito de corrigir falhas do projeto original da bicicleta. Alguns donos de bikes antigas, por mera falta de recursos financeiros, negligenciam esse objetivo e substituem peças por outras novas apenas para manter a bike rodando. É o que se chama de “reforma”.

Existem três processos básicos: a reforma, a recuperação e a restauração, cada qual com suas peculiaridades. Então, se você quer dar um rolê todo estiloso e ainda com o intuito de reaproveitar as coisas, só entrar nessa onda, lembrando que a Caloi e a Monark disputaram por décadas o mercado brasileiro palmo a palmo.

A marca francesa Peugeot chegou a ter bicicletas made in Brazil num passado não muito distante. Os quadros eram feitos sob licença em Minas Gerais e a bike era montada em Manaus. O modelo Prestige 10 fez sucesso. Deixou de ser fabricada em 1981.

 


Alguns modelos que marcaram época:

Caloi Berlineta – Final da década de 60 até meados de 80

Caloi Fiorentina – Década de 50

Caloi 10 – Lançada no Brasil em 1972 e inspirada na Bianchi San Remo, foi a primeira bicicleta com marchas que conquistou o mercado nacional. A versão Concorde é um upgrade fruto do sucesso de vendas. Teve também as versões Sprint e Sportissima.

Monark Crescent – de 5 e 10 marchas – Década de 70

Monark Monareta – concorrente da Berlineta – Final de década de 60 até final da de 80

Monark Tigrão – lançada em 1971 – Teve criança que teve que fazer terapia por causa dela, inspirada na Schwinn Stingray

Monark Tanquinho – De 1978 a 1983 teve variações de modelo durante o período, nas versões Super (sem suspensão) e Turbo, com suspensão

Monark BMX Pantera – Saiu em 1982, freio a tambor