História de Vida

Guerreiro no nome e na profissão

A história de quem lutou para ser o que é


Antonio Alberi da Silva Guerreiro, natural de Soledade e nascido no interior do município, teve passagens por diversas outras cidades em função do seu trabalho. “Quando entrei na Brigada, em 1961, tinha em torno de 22 anos. Durante os 36 anos em que prestei meus serviços, trabalhei em vários municípios como Erechim, Getúlio Vargas e Lagoão. Depois de um tempo, voltei para Soledade e me aposentei”, contou.

Aos 27 anos, seu Guerreiro, como é carinhosamente chamado, casou com a mulher da sua vida: Luiza Machado Guerreiro. “Naquela época, fui destacado para trabalhar em Getúlio Vargas e foi onde conheci minha esposa. Casamos lá mesmo e depois viemos para Soledade. Tivemos três filhas que estão muito bem encaminhadas: uma trabalha no correio e outra na área da saúde, ambas em Soledade e outra trabalha como autônoma em Lajeado”.

No tempo em que serviu na Brigada, seu Guerreiro ficou 30 anos no policiamento e seis na Patrulha Escolar. “No policiamento, trabalhei em todos os setores. Em função da minha idade, precisei me aposentar, mas como sempre gostei muito da minha profissão, decidi retornar para trabalhar na Patrulha Escolar. Lá, ficávamos no pátio da escola auxiliando os professores e cuidávamos do portão de entrada e saída também”. 

Quando perguntado se houve alguma influência por parte da família para que ele escolhesse trabalhar na Brigada, seu Guerreiro disse que não. “Pelo contrário, meus pais eram contra essa profissão, pois eles tinham terra para fora e depois tiveram um comércio na cidade e queriam que eu ajudasse. Mas eu nunca tive aptidão para isso, queria mesmo era ser policial”, revelou orgulhoso.

Bastante lúcido, seu Guerreiro contou que é colorado fanático e que está muito feliz com a atual situação do seu time do coração. Outro assunto abordado na entrevista foi a situação que o país se encontra. “Na minha época, as coisas eram mais tranquilas, hoje está muito diferente. A evolução das coisas, principalmente da comunicação, acontece muito ligeira. Acompanhei a mudança sempre acreditando na melhora. Apesar de o país estar passando por dificuldade, nunca perdi a esperança, pois o Brasil é o coração do mundo”.

No final do mês de setembro, mais especificamente dia 25, seu Guerreiro faz 80 anos e pretende comemorar em grande estilo. “Vamos fazer uma confraternização para celebrar, afinal, chegar nessa idade não é fácil. É preciso ter muita paciência e manter contato com as pessoas. Estou feliz por estar bem e por conseguir realizar, dentro do possível, as minhas atividades diárias”, garantiu.

Ao final, seu Guerreiro deixou uma mensagem para os jovens. Seu recado foi muito simples, porém cheio de verdade. “O que eu digo para a juventude e que passo para meus netos também é que estude, tenha respeito pelas pessoas e seja honesto”, concluiu.