Empreendedorismo

Juventude próspera

Uma empresa nova, administrada por uma jovem


Com certeza você já deve ter passado por essa situação: chegar em um estabelecimento comercial e se deparar com duas pessoas, uma mais nova e outra mais velha. Então, quase que no automático, você se reporta a pessoa mais velha, pensando ser ela a proprietária. Mas, quando se dá por conta, a dona do local é a pessoa mais nova.

Esse fato ocorreu quando a equipe do Jornal Informativo Regional foi até a loja Bombachas D’Ana. Chegando lá, estava a jovem Pietra Strapasson, de apenas 24 anos, que é a proprietária da empresa e sua mãe. Muito simpática, não deu muita bola para o equívoco da nossa equipe e logo já começou a nos contar um pouco da história do seu negócio.

Naturais de Fontoura Xavier, as duas residem em Soledade há 10 anos e possuem a empresa há mais ou menos três anos. “Morávamos em Passo Fundo e quando nos mudamos para cá, era preciso trabalhar em alguma coisa, então sugeri trabalhar com a fabricação de bombachas. Surgiu uma empresa aqui em Soledade para trabalhar e como essa empresa começou a diminuir o serviço, decidimos iniciar o nosso próprio empreendimento, pois sabíamos que a demanda de bombacha aqui na cidade era muito grande”.

Pietra contou, também, que nos dois primeiros anos de loja, seu público alvo era de Passo Fundo, pois lá os moradores conheciam muito bem o trabalho delas. “De 2018 para cá, os nossos clientes começaram a ser de Soledade, pois estamos mais conhecidas no mercado. Mesmo a procura pelas bombachas ser maior a partir de agosto e setembro, fabricamos o produto o ano todo. Fazemos bombachas campeiras feminina, masculina e infantil”, explicou a jovem empresária.

Para ela, a maior dificuldade desde o início foi tornar a empresa conhecida aqui na cidade. “Lá em Passo Fundo, tínhamos nossa clientela. Quando viemos para Soledade, percebemos que as pessoas estavam muito fixadas em marcas conhecidas e antigas e como o nosso preço é bastante acessível e bem abaixo da média, as pessoas pensavam que nosso produto não era de qualidade”, revelou.

Ao ser perguntada por que trabalhar apenas com bombachas, Pietra não pensou duas vezes para dar a resposta. “Ainda não pensamos em investir no restante da indumentária gaúcha porque queremos priorizar a nossa marca antes. Queremos ser conhecidos primeiro e talvez a gente parta para os complementos”.

Embora a empresa seja nova, a jovem garante ter uma clientela muito boa e sonha dar grandes saltos no futuro. “De um tempo para cá, nosso público está aumentando. Acredito que hoje, o que vale muito é a indicação. Um cliente nos indica para um conhecido e assim vamos aumentando nosso público. Mais para frente, temos intenção de participar de rodeios, pois o público que frequenta esse tipo de evento usa bastante bombacha”.