Empreendedorismo

O que nos define é determinação

Por Informativo Regional

Em alguns momentos de crise, é comum observar pessoas buscando justificar seu comodismo muitas vezes por insegurança, falta de coragem e persistência. Mas, ao mesmo tempo, alguns empreendedores têm fé, muito trabalho e determinação de que tudo é possível. Exemplo disso é a jovem empresária, Silmara Freitag da Silva, que relatou sobre como começou sua jornada como decoradora em Soledade e região.

“A ideia de levar isso como profissão surgiu há 7 anos, quando uma de minhas sobrinhas iria fazer 15 anos. Resolvemos comprar TNT e montar uma festa surpresa. A partir daí, o pessoal começou a me incentivar, e como tinha muitas crianças na família eu sempre fazia as decorações. Já tinha trabalhado como vendedora em mercados e minha última profissão foi como costureira. Como já tinha um filho e estava grávida do segundo, decidi que não iria voltar a trabalhar fora”, disse Silmara.

Segundo ela, depois que seu filho nasceu, ela e seu esposo conversaram sobre o que iriam fazer. Tínhamos duas crianças pequenas. Ele trabalhava em uma firma de pedra e teríamos que ter uma segunda opção. Então veio o estalo: vou abrir meu próprio negócio e serei decoradora. Eu disse para o Evandro, meu marido: “vamos trabalhar com festa”, destacou Freitag, que tinha 22 anos quando cogitou a ideia.

Conforme a profissional, “Um dos primeiros eventos foi uma formatura da Pré-escola, na EMEI Primavera. Na época, a diretora era a Silvana Castro e deu super certo. Todos gostaram do trabalho. Em seguida, fizemos o casamento do Sininho Garçom e assim fomos seguindo. Mas, como não tínhamos muito material, o que fazíamos era investir. O que ganhávamos com a decoração nos finais de semana era revertido em material”.

“Chegou um determinado momento em que precisávamos de muito material e a demanda estava grande, por isso, optei em vender os móveis da minha casa. Vendemos praticamente tudo. Só ficamos com a cozinha e dois colchões que colocávamos no chão. Eu, meu marido e nossos dois meninos dormimos no chão por 04 anos até atingir capital para comprar mais materiais e poder dar conta da demanda”, relatou Silmara.

Ela pontuou que: “Neste meio tempo nossos filhos já estavam maiores e o Evandro ainda trabalhava na firma de pedra fazendo jornada dupla. De dia trabalhava como funcionário, a noite íamos para os salões adiantar o trabalho. Por 02 anos ele se manteve assim, pois não tínhamos funcionários e nem condições de pagar alguém, visto que, já que estávamos investindo em material”.

“Nossos filhos ficavam nas casas. O mais novo ficava na tata, sendo ela quem cuida dele até hoje, e o mais velho nas tias ou na avó. Depois de 04 anos trabalhando com eventos, compramos o terreno onde moramos agora, porque não tínhamos mais espaço para colocar nossos materiais. Tínhamos apenas uma trilha para passar da cozinha até o banheiro e o quarto, pois o restante estava cheio de tecidos e não tínhamos mais nenhum conforto. Estávamos morando, praticamente, dentro de um depósito”, assinalou a empreendedora.

"Compramos o terreno e financiamos parte da casa, colocamos o depósito pra cá, tornando possível adquirir mais materiais, pois tínhamos mais espaço. Nesse tempo, já tínhamos fixado nossa marca no ramo infantil, tínhamos uma demanda muito grande de clientes e eventos em todos os finais de semana. Nesse período, colocamos à venda a casa onde morávamos. Depois de um ano, conseguimos vendê-la, e então fomos morar de aluguel durante quatro meses até nossa casa ficar pronta. Levamos o pouco que tínhamos e ainda permanecemos dormindo no chão. No primeiro dia, nunca esquecerei, a primeira noite que dormimos na casa, onde meus filhos deitaram na cama deles. Depois que chegaram da escola tomaram banho e deitaram em suas camas pela primeira vez, foi emocionante, a felicidade de cada um em ter suas próprias camas foi enorme. Logo após nossa mudança para a casa nova, fomos roubados, tivemos 90% do nosso material levado e nada foi recuperado. Este período foi bem complicado, mas nunca pensei em desistir, eu só pensava que Deus iria me mostrar um caminho e tudo que perdi, iria comprar novamente, melhor até do que eu já tinha. Foi muito complicado, porque nós tínhamos evento para realizar e era necessário levar os materiais. Mas, acabei conseguindo realizar essa festa com a ajuda de uma colega decoradora de Barros Casal, que emprestou para que eu pudesse entregar a festa para minha cliente, se não fosse ela eu não teria conseguido terminar. No fim deu tudo certo, passou e conseguimos comprar novamente todo material que era até melhor do que o outro. Nosso prejuízo foi de R$ 13 mil na época. Passado isso, pudemos nos estabilizar melhor, e hoje, 02 anos depois, abre-se um leque maior de casamentos, formaturas e diversos eventos", comenta Silmara.

"Atualmente, atendemos casamentos, 15 anos, formaturas, infantis e a parte corporativa onde atendemos as empresas de Soledade e da região. Em novembro completamos 07 anos no ramo. Temos dois funcionários fixos, e em torno de mais 12 pessoas por finais de semana, chegando até 30 pessoas. A palavra que define a nossa empresa é: determinação", finalizou.