Tah Ligado

Casa de Cultura Quebra Cabeça é espaço de arte e entretenimento

Por Informativo Regional

Informativo Regional

(IR): De onde surgiu e de quem foi a ideia da Casa de Cultura?

Cristiano Gambatto: Eu sempre gostei da cultura como um todo, e acreditei no seu poder enquanto ferramenta de transformação social e educativa.Com isso em mente e, após alguns anos de experiência convivendo em meio aos artistas daqui, que são muitos, mas que, porém, até então, não tinham um local adequado para mostrarem seus talentos, percebi a real necessidade de termos um local mais alternativo e underground, para criar, desenvolver, divulgar e apresentar nosso trabalho.

Dessa forma, resolvi apostar naquilo que, até então, era um sonho, criar a Casa de Cultura Quebra Cabeça. Após planejar, investir e trabalhar duro na restauração da Casa, no dia 07 de junho de 2018 registrei, de fato, a empresa, logo finalizada toda a parte burocrática de licenças e alvarás para o funcionamento, no dia 27 de junho de 2018, com a colaboração de alguns artistas locais, fizemos um primeiro evento teste, com músicas inéditas. De lá pra cá, diversos artistas vêm protagonizando

seus talentos nos eventos nela e, hoje, a Casa de Cultura Quebra Cabeça é um sonho concretizado que une arte, cultura e entretenimento.

IR: Quais as atividades desenvolvidas pela Casa?

Cristiano: Eventos culturais, tais como apresentações musicais, teatro, recitais de poesia, exposições de arte e fotografias, produções musicais e áudio visuais de artistas locais e regionais. Também temos na Casa uma sala com mesa de sinuca para proporcionar entretenimento aos presentes, além

de disponibilizar o espaço com reservas realizadas, com antecedência, para aniversários, confraternizações, palestras e eventos em geral, que respeitem o propósito, as normas e o limite de pessoas que a casa suporta.

IR: Qual o objetivo e importância do local?

Cristiano: A casa tem como objetivo principal, incentivar a produção cultural de novos artistas do Município e da região, agregando, promovendo e difundindo as manifestações artísticas e culturais. Assim, usando o espaço para que compartilhem seus trabalhos e projetos nas diferentes formas,

oferecendo uma programação alternativa para públicos distintos e de diferentes faixas etárias.

IR: O que a Casa agrega na sociedade e para as pessoas?

Cristiano: A Casa de Cultura Quebra Cabeça está localizada no Centro da cidade, próximo à Prefeitura Municipal, em um prédio histórico que antes se encontrava em situação muito precária, necessitando de cuidados. Tendo isso em vista, resolvemos investir na restauração de todo o prédio,

mantendo as características da arquitetura original do imóvel, preservando a nossa história,

agregando valor à estética da rua e, também, oportunizando à comunidade um espaço adequado

para o desenvolvimento de ações, projetos e atividades culturais, artísticas e educacionais, não só para a população do Município, mas para as cidades vizinhas. Além disso, buscando contribuir para a descentralização da cultura, por oportunizar que uma região distante da capital

tenha um espaço propício para a promoção de manifestações culturais, uma vez que é

grande a ausência de estruturas adequadas como teatros, salas, e auditórios, para o desenvolvimento

deste tipo de prática em cidades do interior.

IR: Como faz para participar dela?

Cristiano: Temos um coletivo de artistas, dentre eles, professores de música, instrumentistas, cantores, poetas, compositores, atores teatrais, artistas plásticos, designers, tatuadores, dentre outros. Todos nós ajudamos e contribuímos para o sucesso do projeto. Aqueles que tiverem interesse

em mostrar seu trabalho, e participar, como artista, nos eventos da Casa, é só entrar em contato

comigo, através do fone (54) 99120-3911, ou através da página da dela no Facebook @casadeculturaquebracabeca e da página @qcrecords. O mesmo vale para o público que gosta de apreciar a arte, sendo que os eventos são feitos a cada 15 dias, sempre com temas diferentes

conforme a demanda de artistas.

IR: Qual o público principal que frequenta a casa?

Cristiano: Estamos em fase de formação de público e apresentação do espaço para a comunidade, mas, geralmente, são pessoas mais alternativas, que gostam de arte como um todo, de confraternizar com os amigos, e de um ambiente diferenciado, mais aconchegante e com menos cara de “balada”.

Por isso, convidamos a todos para que sigam as páginas da Casa para acompanharem o que está rolando por lá, e para que fiquem por dentro dos eventos futuros. Apoie os artistas e a cena cultural local!