Reportagem Especial

Atuando em prol de uma sociedade livre de preconceitos

Por Informativo Regional

A CEDSG (Comissão Especial de Diversidade Sexual e Gênero) da OAB (Organização dos Advogados do Brasil) de Soledade possui grande importância na construção de uma sociedade justa, pluralista e livre de preconceitos. Composta pelas advogadas, Bibiana Souza Silva, Tainah Maciel Domingos, Julia Pinto Loureiro, Shaiane Pilatti e Estela Pissolatto, o grupo desenvolve um papel fundamental na comunidade soledadense.

A advogada e presidente da Comissão, Bibiana Souza Silva, expôs sobre o trabalho desenvolvido no Município. “Entre as competências que temos, nós assessoramos a diretoria dentro do assunto pertinente à Comissão. Além de nos propor em promover seminários, palestras e conversas sobre o assunto, para tentar levar informações às pessoas, protegendo os direitos da diversidade sexual, levando a informação sobre os direitos desta parcela da população”, destacou ela. 

“Assim, buscando mecanismos de conscientização e sensibilização da sociedade, de forma que, a inserção das relações homoafetivas e suas consequências no cotidiano se tornem cada vez mais naturais e dinâmicas. Ou seja, tentar levar conhecimento de que essas pessoas existem, precisam trabalhar e estar inseridas no mercado de trabalho”, primou.

Bibiana acrescentou, ainda, que, se o transexual tiver o desejo de alterar o nome, a Comissão auxilia no procedimento. “Atualmente, temos uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que é muito apoiada, e que foi passado pelo Conselho Nacional da Justiça, onde todos os cartórios do Brasil devem, ao ser procurado, mudar o pré-nome no documento da pessoa, diretamente no cartório, não necessitando de uma ação judicial para a alteração”, ponderou a advogada.

Ela frisou, também, a importância do trabalho realizado não só durante a semana do advogado, mas, sim, no ano inteiro. “Muitas pessoas possuem preconceito, outras por falta de conhecimento não entendem. Com isso, queremos levar todo o conhecimento e atendimento necessário, para que haja respeito entre todos e uma convivência civilizada”, finalizou Bibiana.