Reportagem Especial

Estética, saúde e bem-estar

Fisioterapeuta e cliente falam do assunto

Por Informativo Regional

O conceito de estética está cada vez mais abrangente e presente na vida das pessoas. Muitas delas procuram clínicas de estética em busca de um corpo perfeito. Isso acontece, principalmente, em um mundo onde a imagem é cada vez mais valorizada e corpos idealizados brilham diariamente nos anúncios da mídia.

Entretanto, essa procura pelo corpo ideal, muita vezes, pode levar o indivíduo a atravessar o perigoso limite entre estética e saúde. E é assim que muitas pessoas acabam entrando em dietas malucas que prometem verdadeiros milagres, por isso, é necessário o acompanhamento de um profissional especializado na área, para que não haja complicações futuramente.

A proprietária da clínica Vanessa Brunetto Estética Avançada e Saúde expôs que para a realização do método de emagrecimento, o indivíduo deve ter mais de 12 anos. “Além disso, o paciente deve repetir alguns processos, todos os dias em casa, depois do procedimento realizado pelo profissional”, disse ela.

“Ainda, a pessoa deve estar com muita vontade e disposição de mudar seus hábitos de vida. Também, deve praticar atividades físicas, potencializando um emagrecimento saudável, que é algo que muitos procuram atualmente”, lembrou Vanessa.

Betini Simioni utilizou o método de emagrecimento e assinalou sobre o procedimento. “Fiz a avaliação que era necessária, percebi que a situação realmente estava séria, com isso, meu mundo parou e me senti muito mal. Porém, coloquei uma meta pra mim, e já iniciei no dia seguinte. Não era fácil entender que a situação estava péssima, eu não conseguia persistir, nem tinha ânimo, não estava me sentindo bonita, por isso, não saia mais”, declarou.

“Eu sempre tive o mesmo físico, mas nunca cheguei no estado em que estava, tudo piorou quando eu fiquei sem trabalhar, e comecei a tomar remédios para depressão e ansiedade. Minha rotina era um ciclo repetitivo, se eu não estivesse comendo, estava dormindo”, lembrou ela.

Betini ainda frisou que passar por esse processo foi uma realização e um desafio. “Eu consegui provar pra mim e pra muita gente que eu podia fazer e fiz. Não foi fácil no começo, mas quando vi os resultados, foi uma sensação maravilhosa, onde, automaticamente, comecei a me valorizar mais. Pois, também, tive o apoio de toda minha família e muitas pessoas que estavam a minha volta”, referiu.

“Mas assim como tem quem apoiou, também teve quem não queria me ver bem. E ainda existe aquela mania das pessoas palpitarem ou dizerem: “Quer comer tal coisa, come, não faz mal", sabendo que eu estava seguindo o programa e isso me incomodava muito. Contudo, isso foi só mais um desafio, já que o que eu queria mesmo era mudar. E essa escolha se deu por que realmente já estava afetando a minha saúde, pois uma mulher de 20 anos, com menos de 1.60, pesando 90.4 já é o suficiente. Sem falar na autoestima que não existia mais, é muito triste não se gostar, e o pior são as críticas em relação ao teu sobrepeso”, acrescentou Betini.

Ela citou, ainda, que, atualmente, possui hábitos diferentes. “Aprendi a diferenciar fome da vontade de comer. Esse processo me reeducou literalmente, pois em relação ao que se come, eu saio, como coisas diferentes do que estou acostumada, porém cuido a quantidade e frequência da alimentação. Visto que não adianta a pessoa perder 10, 20, 30 kg e não mudar seu pensamento. Esse é o modo que eu adotei pra mim: posso comer coisas diferenciadas, mas cuidando. Além de que tem coisas que eu escolhi excluir do meu cardápio”, pontuou Betini, orgulhosa de si mesmo.