Notícias

Soledade sedia II Encontro sobre Cidades Educadoras e Inteligentes

Por Caroline Moraes

No antepenúltimo e penúltimo dia do mês de agosto, 29 e 30 (quinta e sexta-feira), Soledade sediou o II Encontro sobre Cidades Educadoras e Inteligentes no auditório do Centro Cultural do Município e UPF (Universidade de Passo Fundo) Campus Soledade. As inscrições para o evento que teve o tema “Construindo territórios educativos” ocorreu pelo site www.upf.br..

A ocasião visou promover, qualificar, difundir e aprofundar a concepção de cidade educadora e inteligente como uma estratégia de desenvolvimento urbano e social nas cidades do norte do RS. Para tanto, remeteu ao entendimento da cidade como território educativo, democrático, produtivo e gerador de inovação. 

Ele teve a coordenação das Secretarias Municipais: de Educação, Cultura e Desporto (SMECD) de Soledade e de Educação de Marau/RS; pelo Programa UniverCidade Educadora e Inteligente UPF; Projetos: Cidades Inteligentes e Circulando Cidadania; e Fórum de Mobilidade e Educação.

O II Encontro foi pensado a partir dos eixos: Dimensão Pedagógica das políticas públicas (potencial educador das políticas públicas), Cidades Educadoras e Inteligentes no marco da educação integral: (discussão do papel das escolas na cidade educadoras), A valorização dos espaços públicos e Inovação e empreendedorismo no território.

Seu público-alvo foi: gestores públicos, sociedade civil organizada, líderes empresariais, urbanistas, profissionais de TI (Tecnologia da Informação), educadores, estudantes de Arquitetura, Pedagogia, Direito, Serviço social, Computação e comunidade em geral. A atividade trouxe inúmeros nomes para compartilhar experiências.

Para abri-la com chave de ouro, na noite do dia 29/8, o Coral COMSOL (Coral Municipal de Soledade) apresentou, sob o comando do maestro e professor, Luiz Trautmann, duas canções. Também, o prefeito Municipal, Paulo Ricardo Cattaneo, ressaltou que uma cidade educadora e inteligente começa a ser construída no seio da família e, após, nas escolas. “Destaco a liderança da secretária Municipal de Educação, Ádria Brum de Azambuja, dos professores e servidores pelo seu envolvimento”, dizendo que a educação não deve ser somente no ambiente escolar, mas, também, fora dele, em todos os locais.

Ele orientou, ainda, a cada cidadão refletir pensando no próximo, enquanto coletivo, assumindo papel formador por uma cidade melhor. Na mesma noite, os palestrantes foram a Dra. Jaqueline Moll, professora da UFGRS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e Mestre Carlos Frees, vice-presidente da Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas, com a conferência “A Cidade com e para as pessoas”, mediada pelo Prof. Dr. Márcio Tascheto.

Frees frisou que o cidadão tem que ser participativo no desafio de criar essa cidade. Já Moll, que o ser humano não nasce assim, mas se humaniza. “Para isso, precisa-se de um movimento intencional pela resolução de problemas com muito diálogo para que haja a modificação de paradigmas que podem ser diferentes”, pontuou ela.

Segundo Jaqueline, para tanto, deve haver menos reunião de gabinete e mais nas comunidades, já que a vida de todos está relacionada.


Movimento Cultuarte mostra potencial soledadense


O segundo dia do II Encontro sobre Cidades Educadoras e Inteligentes, 30/8, iniciou, pela manhã, com o Movimento Cultuarte nas ruas de Soledade. Ele teve o objetivo de promover a ocupação da rua enquanto espaço público para uma grande ação cultural, onde se pode receber os visitantes do Município mostrando seu povo acolhedor, engajado nas ações da cidade em prol do seu desenvolvimento, apresentando um pouco das ações culturais realizadas por Soledade. 

Nele, houve uma caminhada por variados pontos do Centro, com diversas entidades soledadenses que, uniformizadas e carregando banners, puderam prestigiar, junto aos turistas participantes do II Encontro, peças de teatro, capoeira, música ao vivo, espetáculo de dança e dança gaúcha, e formalidades de abertura da Semana da Pátria que marcaram esse movimento de comunidade para uma cidade educadora.

Após isso, houve o Painel “Construindo territórios educativos”, com o Dr. Guillermo Ríos (secretário de Cultura e Educação de Rosário/Argentina) e Prof. Ramires Brilhante (Rede Brasileira de Cidades Educadoras – Vitória/ES), sob a mediação da Profa. Dra. Eliara Zavieruka Levinski; o Círculo dos Municípios com representantes de Soledade/RS, Marau/RS e Vitória/ES, na UPF Campus Soledade.

Mais tarde, no local, houve as salas temáticas: Mapeamento de oportunidades educativas no bairro – UPF; A cultura nos afeta, a arte nos transforma na cidade de Soledade/RS; O esporte como ferramenta de inclusão social na cidade de Marau/RS, onde a secretária Municipal da Educação, Simone Costenaro Ribeiro, assinalou que políticas públicas do governo municipal muda e transforma vidas, como o exemplo de “alunos-problema” que formam disciplina.

Também: Praça dos Direitos na cidade de Camargo/RS, Experiências da Cidade Educadora de Vitória/ES; Literatura infantil na perspectiva das Cidades Educadoras na cidade de Santiago/RS; Um espaço tecnológico e pedagógico em favor da sustentabilidade – H2OJE; Núcleos de Apoio para a Sustentabilidade de Cidades Inteligentes e Humanas – Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas; e Tempos, espaços, interação com a Educação da cidade de Carazinho/RS.

O seu encerramento se deu na socialização das questões basilares debatidas nas Salas Temáticas, objetivando a elaboração da Carta de Soledade/RS.



Créditos foto de capa (mesa): Christian Brum

Foto prefeito dançando: Caroline Moraes