Polícia

Delegada relata assassinato e prisão de soledadenses

Por Informativo Regional

Segundo a Delegada Regional de Polícia de Soledade, Fabiane de Vargas Bittencourt, desde a notícia de desaparecimento de Ivânio Bernardes Ortiz, no sábado, 7/9, a Polícia Civil e Brigada Militar não pararam em um trabalho incansável e elogioso. “A partir do momento que os familiares nos comunicaram e fomos averiguar sua residência, deparamo-nos com ela desalinhada, objetos e veículos ausentes e com manchas de sangue. Por isso, suspeitamos de algo muito grave ter acontecido. Passamos, então, a checar informações que nos eram repassadas”, afirmou.

Ela garantiu que, junto a sua equipe, passaram a noite e o dia todo (domingo, 8/9) agindo na esperança de localizar a vítima ainda com vida. “Passado um tempo sem contato, tudo indicava que ele já não estaria vivo, porém não cessamos. Chegou até nós o conhecimento de que havia indivíduos tentando vender os carros roubados e evadir-se de Soledade, por Barros Cassal/RS”, declarou.

De acordo com a delegada, um dos meliantes foi localizado com um dos objetos furtados da casa de Ivânio, um tapete. “Ele acabou confessando o latrocínio conjunto e indicando seu parceiro, o que culminou na localização do corpo no Rincão dos Coelhos, interior do Município. No depoimento foi revelado que o objetivo da ação criminosa era de assassiná-lo, por conhecer um deles e poder identificá-lo, complicando sua situação junto à polícia e, após, subtrair-lhe os bens (carro, dinheiro, armas – caso houvesse)”, pontuou Fabiane.

“Para tanto, foi proferido um golpe na cabeça da vítima com um tronco/madeira coletado, o que causou certa desorientação nela. Ainda com vida, ela foi retirada do local, por meio do porta-malas de seu veículo e levado até onde seu corpo foi encontrado, posteriormente. Também, consciente, levou dois golpes de faca do assassino, gritando e vindo a falecer”, frisou.

Bittencourt exaltou o choque pela frieza e brutalidade com que o crime se sucedeu, expondo achar que as pessoas estão perdendo um pouco da humanidade. “Mesmo sendo da polícia, ouvir esse tipo de atuação é desgastante”, comentou ela. Para a delegada, o sentimento é de felicidade por terem resolvido o crime, com êxito, no sentido da prisão de um dos autores e diversas diligências, mas que, não totalmente por não terem encontrado Ivânio ainda com vida, já que isso ocorreu logo após o crime, por volta das 18h do sábado.

Ela frisou que a necropsia está sendo aguardada, que, certamente confirmará os relatos do fato ocorrido. “Nosso desejo é que os criminosos permaneçam encarcerados pelo Poder Judiciário, pois não podemos permitir que indivíduos com essa periculosidade, que ceifaram a vida de um cidadão de bem da comunidade, fiquem livres, colocando em risco a coletividade”, complementou.

Conforme ela, ambos os assassinos possuíam certo parentesco, o que resultaria na proximidade em realizar o crime. “Um deles tinha a ficha praticamente limpa e o outro já com extensa história na criminalidade, sendo este que convidou o primeiro, que aceitou”, finalizou suas pontuações.


Créditos foto: Polícia Civil