Notícias

Segue o bom desenvolvimento do trigo no Estado

Por Assessoria de Imprensa

De modo geral, as lavouras de trigo apresentam bom desenvolvimento e começam a entrar no chamado período crítico em razão de a cultura estar na fase de espigamento. De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado pela Emater/RS-Ascar, nesta quinta-feira (12/09), 33% das lavouras do Estado encontram-se na fase de desenvolvimento vegetativo (perfilhamento e alongamento do colmo), 47% na fase de floração e 20% delas na fase de enchimento do grão. Nesta safra, a área estimada pela Emater/RS-Ascar para o cultivo do trigo é de 739,4 mil hectares. A área de cultivo de trigo no Rio Grande do Sul corresponde a 37% da área brasileira de plantio com o grão. 


A área cultivada com canola no RS corresponde a 92,9% da área estimada para o Brasil pela Conab em agosto de 2019. A estimativa da Emater/RS-Ascar para o plantio de canola nesta safra é de 32,7 mil hectares, com rendimento médio de 1.258 quilos por hectare. Entre as lavouras do Estado, 24% delas se encontram na fase de floração, 58% na fase de enchimento do grão, 11% maduro por colher e 7% colhido.


A área cultivada com cevada no RS corresponde a 36,6% da área estimada para o Brasil pela Conab em agosto de 2019. O levantamento da Emater/RS-Ascar para a área implantada com a cultura no Estado é de 42,4 mil hectares, com rendimento médio de 2.073 quilos por hectare. Em 36% das lavouras, a fase é de desenvolvimento vegetativo, 43% delas estão em fase de floração e 21% na fase de enchimento do grão. De modo geral, o desenvolvimento das lavouras no Estado é considerado bom. 


Na região Nordeste, região administrativa da Emater/RS-Ascar de Passo Fundo, as lavouras de alho estão em estádio de desenvolvimento vegetativo. Não foi mais necessário usar irrigação nas lavouras. Produtores realizam tratamentos fitossanitários preventivos. Na região Nordeste, a cebola está em desenvolvimento vegetativo, evoluindo normalmente. Na região Sul, o transplantio desta cultura está praticamente finalizado, chegando a 98% da área. As lavouras já transplantadas seguem com bom desenvolvimento e estado sanitário satisfatório. 


Nas regiões da Fronteira Noroeste e Missões, produtores iniciaram o plantio da mandioca; no entanto, foi interrompido em virtude do excesso de chuva e será retomado em condições ideais para realização da atividade. Produtores seguem a colheita das lavouras. No Planalto Médio, as lavouras de batata estão em estádio de desenvolvimento vegetativo; evolução normal após as últimas chuvas. As geadas ocasionaram danos nas primeiras áreas plantadas que estavam em brotação ou em desenvolvimento vegetativo inicial, mas ainda não é possível dimensionar como esses danos virão a influenciar a produção. 


Na região do Vale do Caí, ao mesmo tempo em que a colheita das frutas cítricas se aproxima do final, nova produção começa a se formar com a floração das laranjeiras e bergamoteiras. Já foram colhidos 60% das frutas da bergamota Montenegrina e 25% do híbrido Murcott. A partir de agora, os citricultores que têm câmara fria começam a armazenar a fruta madura. Esta prática resguarda a fruta de qualquer evento climático prejudicial, como chuvas excessivas ou granizo, e conserva a fruta para comercialização quando terminar a colheita normal, período em que o valor recebido pelas frutas cítricas é maior.