Notícias

Investimentos na propriedade e autonomia para o jovem incentivam a sucessão rural

Pensando no futuro, família de Nelcinda Marangon, de Ibirubá investiu com o Fundo Mais Energia, ampliando a produção de leite

Por Assessoria de Imprensa

A atividade leiteira é fonte de renda para muitas famílias. O amor pela vida no interior,

pelo trabalho no campo e pelos animais contrasta com as dificuldades e obstáculos

enfrentados pelos produtores e produtoras de leite. Faça chuva ou sol, calor ou frio, e preços

nem sempre compensatórios, a atividade é diária, e o trabalho muitas vezes se torna

cansativo. Mas com profissionalismo, dedicação e investimentos, a atividade leiteira se torna

uma importante fonte de renda para os cooperantes.

O conhecimento sobre a lida no campo é transmitido de pais para filhos na sucessão

rural. É o que aconteceu com a cooperante Nelcinda Marangon, de Ibirubá, que aprendeu

sobre a atividade com os pais. Nelcinda relembra que o recolhimento de leite começou a ser

feito em 1979, quando a família iniciou a atividade. Na época, possuíam em torno de 12 vacas,

e residiam no interior do município, em Santo Antônio do Triunfo, onde permanecem até hoje.

Com o passar dos anos, a introdução de novas tecnologias e aperfeiçoamento de

técnicas, a família de Nelcinda conta, atualmente, com 104 vacas em lactação. O esposo

Leomar se dedica à lavoura, enquanto que o filho mais novo do casal, Juliano, decidiu auxiliar

no trabalho da mãe e continuar na propriedade. Os outros filhos trabalham fora: Fernanda é

professora, e Junior, engenheiro agrônomo.

Para poder aumentar o plantel de animais, foi necessário investir na instalação de um

free stall, que tem capacidade para acomodar até 120 vacas. A família também investiu com o

Fundo Mais Energia da Coprel, para atender a carga de energia necessária na expansão do

tambo de leite. Nelcinda afirma que a decisão pelo investimento ocorreu após Juliano optar

por continuar na atividade leiteira, o que gerou uma enorme alegria e satisfação para os pais.

“Nós precisamos do aumento de carga da Coprel e fomos muito bem atendidos. A produção de

leite aumentou significativamente depois que investimos no free stall. A perspectiva é de

ampliar o número de vacas para a capacidade total. O apoio da Coprel e a permanência do

Juliano aqui, nos deixa muito feliz”, explica.

Estudante de medicina veterinária, o jovem, de 24 anos, está atento às tecnologias de

melhoramento genético, técnicas e manejo da área do leite, aplicando os aprendizados

adquiridos em sala de aula, no dia a dia de trabalho. “O interior para mim significa tudo.

Sempre estive presente ajudando os meus pais em casa. Quero ter meu emprego como médico

veterinário, mas também continuar a auxiliar, e dar suporte para a família na atividade do

leite”, ressalta.

De acordo com Nelcinda, deve haver diálogo entre pais e filhos e planejamento para o

futuro: “Os pais tem que dar uma oportunidade para os filhos na propriedade ouvindo as ideias

deles e as colocando em prática. Assim, eles vão aprendendo junto com os pais”. Conforme

Juliano, os jovens devem pensar bem antes de qualquer decisão e avaliar o que é mais

importante: “Nós pensamos bastante para investir, e optei por ficar, pois é importante também

gostar do trabalho. Às vezes, achamos que na cidade vai ser mais cômodo e ter menos serviço.

Mas, cuidar do negócio da família, também é bom e deve ser avaliado como uma ótima

possibilidade pensando no futuro”.


Com o Fundo Mais Energia da Coprel, a família pode ampliar a produção de leite e,

consequentemente, tornar possível e rentável a sucessão rural na propriedade. É a história do

passado, que se repete no presente e tem tudo para continuar no futuro. Pensou em investir

em aumento de carga? Informe sua necessidade pelo Discoprel: 116, 0800 51 3196 ou 0800

701 3196.