Artigo

O JESUS DO PORTA DOS FUNDOS NÃO É AQUELE EM QUEM ACREDITO!

Por Padre Ezequiel Dal Pozzo

Pegaram o nome de Jesus e fizeram uma caricatura a seu modo e a seu nível. Claro, Jesus já

não é um patrimônio das religiões. Cada um pode falar e comentar sobre ele. Certo é que

Jesus tem uma identidade que vem pela Bíblia, pela teologia e pelas religiões. Essa identidade

não corresponde em nada a caricatura que fizeram o Porta dos Fundos. Caricaturas são

caricaturas. Lembram o personagem, mas não a verdade do que ele é.

O Especial de Natal porta dos Fundos se beber não ceie, está tão longe de mostrar quem é

Jesus, não tem nada de Jesus, nada de Natal e nem de especial. O Jesus, a ceia e a cruz que

fizeram só têm bizarrice, caricatura, palavrões e, porque indica uma ligação com o Jesus da

Bíblia, tem muito de desrespeito. O jeito de falar é próprio da comunicação rasa e cheia de

palavrões do submundo moderno. As mágicas são caricaturas da expressão de amor do Jesus

da Bíblia, cujas ações se concentravam somente em fazer o bem. A ação amorosa era o

verdadeiro milagre. O amor no Jesus da Bíblia e da fé fazia acontecer coisas maravilhosas.

O Jesus do Porta não tem nada disso. A caricatura o distancia tanto do Jesus da Bíblia que

nenhuma expressão o torna digno de proximidade. Esse Jesus não me acrescenta nada, nem

na palavra, nem nas atitudes e em nenhuma de suas expressões. O Jesus da Bíblia suscita o

desejo de proximidade pela intensidade do amor que manifesta nos gestos e palavras.

Não sei a intenção real desse especial do Portas. Se era audiência, atingiram o objetivo. Se era

de criar polêmica, também. Mas a polêmica se cria a partir do questionamento de uma

verdade, ou a partir da proposição de uma suposta verdade, que não é o que fizeram. A

caricatura feita é tão distante do Jesus da Bíblia que para isso não serve. Se fizeram para

desrespeitar a fé, o que dizer? O Jesus do Porta não é o Jesus que acreditamos. Se pensaram

só no humor, poderíamos perguntar: que tipo de humor é esse? Que criatividade é essa e que

linguagem é essa? Não vi graça no episódio. Talvez, porque via ali um Jesus que nada tem a ver

com o Jesus que eu acredito, e inconscientemente buscasse traços do Jesus da Bíblia. A

linguagem usada não é universal, mas particularizada, do mundo dos palavrões e da

consciência rasa. Se quiseram questionar alguma teologia acerca do Jesus da Bíblia, naquilo

que chamam verdade-consequência, não vejo consistência. Como se a verdade daquilo que

acreditamos sobre Jesus fosse consequência de invenções sem fundamento como eles tentam

sugerir.

O Jesus da Bíblia desperta uma verdade que transforma o mundo no amor. O Porta quer criar

uma consequência, isto é, questionar a verdade de nossa crença a partir da bizarrice e da

adulteração barata.

De fato, a caricatura é tão grotesca que do Jesus que eu acredito não tem nada. O Jesus da

Bíblia tem compaixão, até mesmo, para esse nível de consciência retratado no Portas, mas


convoca a evolução da consciência. A vida verdadeira não acontece nesse nível raso do Porta

dos Fundos. O Jesus da Bíblia é um apelo a evolução humana e não ao pensamento raso e

desrespeitoso.

A polêmica logo disse que haviam retratado Jesus como homossexual, mas o problema é todo

o enredo e não isso. Fazem de Jesus, dos discípulos, da ceia e da cruz o que bem entendem,

sem critério e sem fundamento. Se tivessem o objetivo de provocar um debate teológico sobre

a imagem de Deus que temos, sobre o jeito de interpretarmos o Jesus da Bíblia, sobre algum

valor presente em Jesus que foi possivelmente esquecido por nós, aí tudo bem. Mas

transformam o conteúdo religioso de valores e fé, a partir do seu jeito de ver e viver a vida, a

festa e a religião. Nada de sério e digno de aplausos tem ali nesse especial. Seria uma comédia

pra alguém rir? As cabeças e mentes que concebem a vida e a religião assim, talvez possam rir.

Fora isso, muitos acharão estranho, alguns ofensivos e outros de muito mau gosto.

Pe. Ezequiel Dal Pozzo

contato@padreezequiel.com.br