Artigo

Evasão escolar

Por Informativo Regional

  • Neusa Terezinha Berté


A evasão escolar representa um dos grandes problemas da educação contemporânea. Se a legislação estabelece a obrigatoriedade da educação para crianças e adolescentes até os 18 anos, a inobservância dessa regra, certamente, representa um desrespeito a essa legislação. Contudo, não se trata de um problema fácil de ser superado, já que muitas podem ser as causas da evasão escolar. Entre essas causas, é possível identificar as reprovações sucessivas, a dificuldade de acesso, a desmotivação e/ou falta de perspectiva diante do estudo, o trabalho infantil, as drogas, a violência, entre outros possíveis fatores.

De acordo com tais justificativas, a evasão está relacionada a questões sociais que necessitam ser observadas, muitas vezes se ignorando a necessidade de ação da escola diante dessa questão. À escola, caberia apenas a responsabilidade de administrar essa situação, de modo que seja assegurado à criança e ao adolescente o direito da escolaridade, considerando a regra que prevê frequência igual ou superior a 75%.

Contudo, para Arroyo (2003) a evasão escolar é uma questão ainda mais profunda: está relacionada à exclusão da escola com esses alunos. Recusando os argumentos que justificam a evasão como causa ou interesse do aluno, para o autor se trata de uma deficiência da escola, que necessita ser superada. De fato, é uma questão complexa para a qual a escola deve buscar alternativas, que devem passar, em primeira instância, pela qualidade do trabalho realizado.

Assim, o combate à evasão deve passar pela implantação ou ajustes de políticas educacionais capazes de dirimir essas deficiências a fim de que, uma vez incluídos, esses alunos assumam o papel de protagonismo de sua história, e não de vítimas de um sistema escolar excludente.

ARROYO, Miguel G. A escola possível é possível? In: ARROYO, Miguel G. (org.). Da escola carente à escola possível. São Paulo: Edições Loyola, 2003.