Rural

Produtores de leite investem em tecnologia

Investimento almeja aumentar produtividade leiteira da propriedade

Por Informativo Regional

Envolvido com a produção leiteira há 14 anos, Eduardo Timóteo Loureiro, conhecido como Duda, sua esposa Marilange de Lima Loureiro e o filho, investiram em tecnologia na propriedade, que se localiza no Passo dos Loureiros, interior de Soledade.

Com objetivo de aumentar a produtividade, o investimento chegou à ordem de aproximadamente 75 mil reais, aplicados em sala de ordenha, resfriador e galpão. “Estamos vivenciando um bom momento, mas sempre passamos por altos e baixos. Acredito que futuramente tudo será ainda melhor, e pensando nisso, tentamos melhorar e aprimorar ainda mais nossa propriedade”, frisou o produtor.

Para ele, este investimento torna o trabalho mais fácil e traz uma segurança maior. A propriedade ainda segue todas as restrições sanitárias impostas pela CCGL, com ordenha canalizada e outros cuidados higiênicos. “É claro que priorizamos a qualidade do leite, mas a questão higiênica é um fator muito importante”, salientou Marilange.

Atualmente, eles possuem 14 vacas em lactação, produzindo cerca de 300 litros de leite por dia. “Com os investimentos feitos, pretendemos aumentar para 26 vacas, visto que com essas novas instalações, temos a capacidade de produzir mil litros diariamente. Agora, vamos investir no plantel, buscando melhorá-lo e quem sabe fazer um melhoramento genético na propriedade”, explicou Duda. 

Os produtores contam com o acompanhamento técnico da Coagrisol e Emater. “Recebemos um grande incentivo da Emater, através do Roger, que conversou e mostrou diferentes ideias para implantarmos na propriedade. Dessa forma, decidimos aceitar e desde então contamos com este auxílio, além de que eles são muito participativos na evolução do nosso trabalho, tanto na questão de estrutura quanto pastagens, alimentos e genéticas”, aduziu o Eduardo enfatizando que através da Emater, conseguiram um hectare e meio de pastagem irrigada, sendo que pretendem expandir.

Ao falar acerca do controle do custo do leite, Mariangela destacou que mensalmente é feito um acompanhamento de custo. “Temos que calcular tudo que gastamos, os prejuízos e o que sobrou, para analisarmos se o leite está dando lucro ou não”, informou.

Para os produtores, a bacia leiteira é rentável e os resultados dos trabalhos são satisfatórios. “Muitos falam que tirar leite é uma prisão, mas quando se gosta e tem vontade de fazer, essa atividade não priva nada. Nós começamos com três vacas quando viemos para essa propriedade, e hoje, estamos com 14 só em lactação, fora as novilhas”, acrescentou Eduardo.

“Atualmente temos 21 animais na propriedade e nossa previsão é de dobrarmos a produção, em pelo menos dois anos. Além disso, nossos filhos nos ajudam quando podem e um deles quer cursar Agronomia para ser técnico agrícola, assim futuramente poderá nos auxiliar na propriedade”, mencionou Marlange.

Por fim, os produtores leiteiros pontuaram a importância de investir e buscar modernidade para a propriedade e serviços. “Também é fundamental estudar e aprimorar conhecimentos, pois muitas coisas que não sabemos, aprendemos”, finalizou o casal.


 Fotos: Édna Malaquias