Notícias

Alunos protagonizam na oficina de artesanato

Por Informativo Regional

O Centro Cultural de Soledade realiza muitas atividades e oferece oficinas para todos os gostos e idades. Dentre elas, destaca-se o artesanato, que através das mãos e criatividade dos alunos, produzem objetos únicos que evidenciam as características de cada um.

Sob responsabilidade da professora Ilse Guerra D’ Ávila desde 2013, a oficina de artesanato desenvolve pinturas em tecidos, em telas, em vidros e em materiais de EVA. Ao todo, a atividade conta com a participação de aproximadamente 70 alunos.

Desde o início da pandemia, Ilse readaptou suas aulas de forma com que os alunos não perdessem o vínculo com a atividade que exercem. “Durante a pandemia, eu ministrei minhas aulas de forma online ou os alunos vinham até a minha casa, mas sempre buscamos uma forma de poder fazer a oficina. Muitos ainda não retornaram para aulas em virtude da pandemia, pois estão receosos, mas já retornamos com as atividades e estamos seguindo os protocolos da vigilância sanitária, onde somente quatro alunos são atendidos por aula e quando trocam as turmas, higienizamos os materiais e as aulas, a fim de garantir a segurança de todos”, explica a professora.

Ela destaca a satisfação e amor em poder compartilhar todo o seu conhecimento com adultos, jovens e crianças que frequentam a oficina de artesanato. “Através das aulas podemos perceber que cada um tem uma forma de ser e agir, o que os torna único, e esse trabalho é maravilhoso porque diariamente vamos além do que podemos fazer. Aqui o aluno escolher o que deseja fazer, ele é o artista e todos os dias fizemos coisas novas”, frisa.

Ilse também reconhece o trabalho realizado pela direção do Centro Cultural, a fim de que todas as oficinas possam ser ofertadas à população de Soledade. “Aqui temos dança, teatro, contação de história, canto, violão e muitas outras atividades. Todo o material utilizado para enfeitar a nossa cidade em datas comemorativas é produzido por nós, feito com muito amor e carinho”, afirma a professora. 


Fotos: Édna Malaquias