16.6 C
Soledade
segunda-feira, 06 de dezembro de 2021

A saúde mental de pacientes com câncer de mama

O mês de outubro é marcado pelo movimento conhecido como “Outubro Rosa”, dedicado à conscientização das pessoas, especialmente das mulheres, sobre a importância dos exames de rotina para o diagnóstico do câncer de mama.

O processo de descoberta da doença por si só é um evento doloroso.  A questão física fica evidente nesse contexto, entretanto, não há como ignorar o impacto psicológico, na medida em que o tratamento do câncer de mama conta com a possibilidade de efeitos colaterais, que modificam símbolos que a sociedade considera como sendo da feminilidade, especialmente no que diz respeito à mama e cabelos. Assim, a mulher pode ter a autoimagem prejudicada.

O medo do desconhecido gera grande ansiedade na mulher e em seus familiares. Nesse momento, pode-se abrir espaço para que sentimentos como: medo, angústia, ansiedade, insegurança, sofrimento, dentre outros ganhem espaço. Dependendo da mulher, tudo isso pode levá-la a um estado de depressão grave que pode inclusive influenciar no tratamento do câncer. Tudo dependerá dos recursos internos disponíveis para lidar com essa realidade.

A mulher passa por um processo de luto que necessita ser elaborado. Nesse contexto, entra o papel do Psicólogo, profissional que poderá ajudar as mulheres no sentido do acolhimento e enfrentamento a essa nova realidade, de modo a reduzir os impactos e proporcionar melhor qualidade de vida. Outros objetivos do trabalho desse profissional são prevenir e reduzir os sintomas emocionais causados pelo câncer e seus tratamentos, além de levar a paciente a compreender o significado da experiência do adoecer, possibilitando assim ressignificações desse processo e elaboração do luto.  Também, auxiliando no fortalecimento a autoestima, identidade e autonomia desta mulher.

Durante as sessões, abre-se espaço para que essa paciente possa falar não apenas sobre as suas dores físicas, mas emocionais. Quanto mais se fala, menos fica assustador. Não falar do problema, não faz com que ele desapareça.  Cabe salientar que o atendimento psicológico para familiares também é bem importante, dado que o apoio destes é fundamental, afinal, precisam estar bem para poder ajudar a familiar com o diagnóstico.

Dicas da Psicóloga:

  • Evite comparações. O tratamento e resposta à ele são únicos para cada pessoa.
  • Evite pesquisas na internet. O quadro de cada pessoa é diferente, e isso poderá gerar fantasias em torno da situação. Dúvidas sempre devem ser referidas à equipe de saúde.
  • Permita-se estar com quem gosta e fazer coisas prazerosas. Tudo isso poderá ajudar a enfrentar a rotina desgastante do tratamento.
  • Compartilhe os sentimentos com quem passa por isso também. Ver que não é só você que está passando por esses momentos pode te ajudar.
  • Procure não se isolar e manter a sua qualidade de vida!
  • Compreenda os seus limites! Aceite e procure ajuda.

Quando a saúde da mente é devidamente reconhecida, a convivência com a doença se torna menos desafiadora. Portanto, neste Outubro Rosa, reflita sobre a importância da saúde mental em conjunto com a saúde física.

Psicóloga Danieli Gugel de Oliveira Dall’Agnol. CRP 07/34173

Destaques

Últimas notícias